Dados Históricos Dados Históricos

GUARABIRA, que em linguagem tupi provém do termo ''gûaraembira'', que designa um tipo de peixe conhecido como guaivira. Também grafias antigas remetem ao título de “berço das garças azuis”, como a chamavam os índios potiguaras, em decorrência da grande quantidade de garças que habitava a região.

Toda história da religiosidade do município paraibano surge em meados de 1755, quando o Sr. José Rodrigues Gonçalves da Costa, natural de Beiriz, pequena povoação do Conselho de Póvoa de Varzim, distrito do Porto, na região norte de Portugal, decide deixar sua terra natal e morar no Brasil.

Atormentados pelo grande sismo ocorrido em Portugal no ano de 1755, decidiram mudar para as terras brasileiras, em busca de uma vida nova, longe de grandes tremores. Partindo para o Brasil, chegaram à capitania da Parayba, e posteriormente as terras que hoje seriam a cidade de Guarabira.

Muito devoto de Nossa Senhora da Luz, título bastante venerado em sua província, protestou-a rogo em Beiriz, que ao se mudar de Portugal com a família, conduziria a venerada imagem da Luz, onde edificaria uma ermida numa terra que não sofresse abalos sísmicos. 

Assim fez, cumprindo sua promessa, a mudança foi bem aceita pelos primeiros grupos que aqui habitavam, tendo em vista que já havia uma pequena capela no local em honra à Nossa Senhora, construída pelo Pe. João Milânes.

Segundo a Tradição Popular e relatos de vários historiadores, os primeiros ofícios em honra à Nossa Senhora da Luz, nessas terras, teriam sido iniciados em 1760, logo com a chegada da Família Beiriz. Marcado por muita religiosidade e tradição, os fiéis celebraram no ano jubilar de 2010, os 250 anos das festividades religiosas em honra a padroeira do município e da Diocese de Guarabira

A Paróquia de Nossa Senhora da Luz foi criada em 27 de abril de 1837 pelo Arcebispo de Olinda, Dom João da Purificação Marques Perdigão, cuja circunscrição eclesiástica fazia parte até o dia 27 de abril de 1892, quando o Papa Leão XIII, pela Bula "Ad Universas Orbis Ecclesias" desmembrou o território que compreendia os estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba, constituindo assim uma nova Diocese com sede na então capital paraibana.

Em 6 de fevereiro de 1914, vinte anos depois da criação da Diocese da Paraíba, o Papa São Pio X, pela Bula "Maius Catholicae Religionis Incrementum", cria a Diocese de Cajazeiras, no sertão paraibano e, ao mesmo tempo, eleva a Diocese da Paraíba à condição e dignidade de Arquidiocese e Sede Metropolitana, tendo por sufragâneas as duas Dioceses que haviam sido desmembradas do seu território: Natal e Cajazeiras.

Com o passar do tempo foram criadas as dioceses de Campina Grande e Patos. Em 1975, o papa Paulo VI nomeia o padre Marcelo Pinto Carvalheira como Bispo Auxiliar da Arquidiocese da Paraíba, ficando sob sua responsabilidade a organização de uma nova Diocese, desta vez no brejo paraibano, região marcada pela religiosidade, missão e romarias.

Em 1980, enfim, foi criada, através da Bula "Cum exoptaret" do Papa João Paulo II, a Diocese de Guarabira,  elevando ao título de Igreja Catedral, a antiga matriz de Nossa Senhora da Luz.



Registros Históricos:


Bandeira do Município de Guarabira (PB)
Criação: Lei nº 57 de 26 de novembro de 1976

Comentário: No escudo, as costas de prata sobre campo vermelho aludem a José Gonçalves da Costa Beiriz, fundador da cidade, pois são atributos heráldicos da família Costa. No manto negro, o facho, símbolo da insurreição, representa a reação patriótica de 1822, quando os munícipes se sublevaram contra juramento por D. João VI, da Constituição Portuguesa. As cores do escudo identificam-se com os matizes da bandeira do Estado da Paraíba e a estrela nimbada retrata a devoção à Nossa Senhora da Luz, padroeira da cidade, que com a luz de sua graça, deu à comunidade os melhores caminhos, como bem anuncia o lema do brasão oficial do município: "Lúmine Gratiae Tuae".







Brazão da Diocese de Guarabira (PB)
Criação: 1980
Insígnias Diocesana: Mitra, Cruz e Báculo
Escudo: Cruz, símbolo da missão; Azul, referência ao manto de Nossa Senhora da Luz, mãe e protetora dos homens; ao centro, uma vela acessa, referência ao Cristo, Luz do Mundo, centro de toda a Fé Cristã.












Fonte de Pesquisas:


* Livros de Tombo e Registros;
CRISTO, Mons. Emiliano de. Reminiscências de Guarabira. Guarabira: Tipografia Nordeste, 1958;
* COELHO, Cleodon. Guarabira através dos tempos. Guarabira: Tipografia Nordeste, 1955;
* Lei nº 57 de 26 de novembro de 1976 que cria o Brasão de Armas, a Bandeira, o Estandarte e os Selos do município de Guarabira, Estado da Paraíba e dá outras providências.